O QUE ESPERAR DE NOSSA POLÍTICA NACIONAL, ESTADUAL E LOCAL?

O QUE ESPERAR DE NOSSA POLÍTICA NACIONAL, ESTADUAL E LOCAL?

Vamos viver novos momentos na política nacional e estadual com os novos candidatos que entrarão para seus mandatos em janeiro próximo. Porém, é praticamente impossível avaliar um governo que ainda não começou, mas como cristãos católicos praticantes, somos a favor do voto de crédito, da esperança por dias melhores.

Não basta que os dados sejam a favor ou contra, é preciso ficar atento porque nossa participação política não termina com o voto na urna, mas deve continuar acompanhando os eleitos para que se cumpra a maioria das propostas apresentadas na campanha eleitoral. Temos muitas carências de políticas públicas e se não formos implacáveis cobradores de nossos políticos, corremos o risco de vermos novamente nossos votos serem trocados por propina e nada de bom ser feito para a população.

Em Sorocaba, vemos na prática que nosso voto se perdeu no caminho. Hoje, vemos em nossa cidade a briga pelo poder que já está enfadando a maioria das pessoas. Um prefeito que não consegue se articular com sua vice, nem com a Câmara Municipal e, sequer comunica que a porta de seu gabinete se manterá fechada, durante sua ausência em viagem para a Europa. Tudo vira uma interminável batalha jurídica com participação até do Ministério Público. Quem está certo? Quem está errado? A população não sabe o que dizer, a mídia aproveita e bombardeia o fato, e todos ficam estupefatos.

O pior de tudo é que não cessam as reclamações de problemas de atendimento público em vários setores. Em especial, no setor de transporte, algo que afeta grande parte da população, inclusive o nosso da Vila Progresso, em que são retirados os ônibus aos domingos e feriados sem prestar qualquer comunicação aos maiores interessados, pois foi o povo que elegeu esses mandatários.

Gasta-se com propaganda para falar bem do Governo Municipal, mas não dão satisfação do porquê resolveram prejudicar a população, deixando trabalhadores e pessoas idosas à espera do ônibus que não vem. Como consequência: operários correndo para não chegarem atrasados em seus serviços e muitos chegando à igreja depois da benção final.

Vamos continuar investigando o porquê dessas mudanças. Duas audiências já foram protocoladas e uma já realizada com o presidente da Urbes e outra com o prefeito, “aguardando agenda”. Fiquemos vigilantes…!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *