Um “grito de gol” ou um “grito de injustiça”? – 10ª Edição Maio/18

Um “grito de gol” ou um “grito de injustiça”? – 10ª Edição Maio/18

Conta-se que em uma de suas reuniões, Hitler pediu que lhe trouxessem uma galinha.
Agarrou-a forte com uma das mãos enquanto a depenava com a outra.
A galinha, desesperada pela dor, quis fugir, mas não pôde.
Assim, Hitler tirou todas suas penas, dizendo aos seus colaboradores: “Agora, observem o que vai acontecer”.
Hitler soltou a galinha no chão e afastou-se um pouco dela.
Pegou um punhado de grãos de trigo, começou a caminhar pela sala e a atirar os grãos de trigo ao chão, enquanto seus colaboradores viam, assombrados, como a galinha, assustada, dolorida e sangrando, corria atrás de Hitler e tentava agarrar algumas migalhas, dando voltas pela sala.
A galinha o seguia fielmente por todos os lados.
Então, Hitler olhou para seus ajudantes, que estavam totalmente surpreendidos, e lhes disse:- “Assim, facilmente, se governa os estúpidos.
Viram como a galinha me seguiu, apesar da dor que lhe causei? Tirei-lhe tudo… as penas e a dignidade, mas, ainda assim ela me segue em busca de farelos.
Assim é a maioria das pessoas, seguem seus governantes e políticos, apesar da dor que estes lhes causam e, mesmo lhe tirando a saúde a educação e a dignidade, pelo simples gesto de receber um benefício barato ou algo para se alimentar por um ou dois dias, o povo segue aquele que lhe dá as migalhas do dia.”
Quantas vezes nosso povo brasileiro se identifica com este episódio.
Como dizia o poeta, era uma vez um povo que gritava com mais força um grito de gol do que o um grito de injustiça!

Padre Wagner Lopes Ruivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *